O embrião de um Brasil governado pela igreja com Bolsonaro – 22/10/2022 – Rede Social

O embrião de um Brasil governado pela igreja com Bolsonaro – 22/10/2022 – Rede Social


[RESUMO] Bispos e pastores pops fazem da Conferência Global 22 Renascimento, em Brasília, plataforma de difusão de profecias para um país que, acreditam, será refundado em valores cristãos a partir de 30 de outubro, com a reeleição de Jair Bolsonaro (PL). Entre os dias 12 a 15, a Folha acompanhou a extensa programação do encontro que reuniu cerca de 2.500 evangélicos por dia no Hípica Hall, espaço de shows e eventos de luxo recém-adquirido pela igreja Comunidade das Nações, frequentada pela primeira-dama Michelle Bolsonaro e pela senadora eleita Damares Alves (Republicanos-DF).

Sob um show de luzes no palco, eles profetizam uma nova era a partir de 30 de outubro e apostam na reeleição de Jair Bolsonaro (PL). JB Carvalho e Dirce Carvalho, bispos da Comunidade das Nações, são os anfitriões da Conferência Global 22, em sua 11ª edição em Brasília.

Durante quatro dias, líderes evangélicos pops se colocaram na linha de frente da guerra espiritual travada nas eleições deste ano. Perfilados na trincheira bolsonarista e com o lema “Deus, Pátria, Família e Liberdade”, os autodenominados profetas bradam contra progressistas, ideologia de gênero e degradação dos lares, males que associam ao petismo.

Para nomes famosos no meio, como o pastor Claudio Duarte, a apóstola Valnice Milhomens e o coach Tiago Brunet, Bolsonaro é o novo messias. A seguir, o relato do dia a dia do evento, definido como celeiro de profetas e missionários “de um novo Brasil governado pela igreja e por valores cristãos”.

Dia 1 (12/10)

O controle de entrada no Hípica Hall é feito por QR Code. São 20h e está prestes a começar a conferência. O salão principal está lotado. No espaço VIP, mulheres com roupas e acessórios de grife e homens de terno se misturam a jovens de tênis da moda, em mix de público de festa de casamento e festival de rock.

A banda Morada convida os irmãos a “liberar a criança que está dentro de você”, referência ao Dia da Criança, festejado naquela quarta-feira (12), também dedicada à padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, não citada ali.

Hits gospel são entoados com fervor pela plateia que dança e louva no espaço para 2.500 fiéis sentados. Às 21h, JB Carvalho faz a oração que dá a largada à maratona de pregações e shows também transmitida ao vivo para inscritos.

“Nós estamos aqui nesse feriado dizendo que o Senhor é o Senhor do Brasil. Jesus, seja entronizado nessa nação. Seja entronizado na economia, no sistema educacional, nas famílias, na mídia, nas artes.”

As palavras do bispo são recebidas com “amém” pelo público que vai de jovens tatuados a senhoras de saias longas e Bíblia em punho. Para muitos, o dress code requer vestes em verde ou amarelo, camisetas da seleção e até a bandeira enrolada ao corpo.

Nesse clima, entra em cena a principal atração de abertura, o profeta chileno Victor Hugo, pastor da Ives Church, casado com brasileira. “Quem vai sair renovado daqui?”, indaga ele, exemplo de fé pela cura de um câncer no estômago.

“Neste momento do país, isso é mais que conferência, é ajuntamento profético”, define. “O inimigo nunca imaginou encontrar um exército de profetas reunido em Brasília.”

O pregador encoraja os irmãos: “Chegou o tempo da igreja”. E critica lamentos pelo cenário político conturbado. “Vocês vão ter um encontro com a profecia”, diz, sobre a vitória em 30 de outubro. Nas andanças por Argentina, Chile e México, ele costuma dizer que “Deus está preparando alguém para governar o Brasil”.

Para o país decolar, avalia que os brasileiros precisam ajustar a visão, enxergar a solução e não o problema. “Quem está com a visão errada enxerga pesquisas e jornais. A visão certa enxerga a vitória.”

E prevê que, se o Brasil se alinhar espiritualmente, toda a América Latina vai no mesmo caminho. “Senhor, te peço que meus irmãos brasileiros profetizem um novo tempo. Se o Brasil cai, cai todo o continente.”



Chegou o tempo da igreja. Deus está preparando alguém para governar o Brasil

Nesse clima de triunfo eleitoral, JB Carvalho faz a prece de encerramento. O bispo agradece a presença da ministra Cristiane Britto, da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. “Ministra, Deus vai guardar a sua vida e a da nossa senadora eleita”, diz, referindo-se a Damares Alves, ex-titular da pasta, eleita senadora pelo Distrito Federal.

“Queremos abençoar sua vida. Mais são aqueles que estão conosco do que aqueles que estão contra nós”, ora Carvalho, em referência ao fogo cruzado contra a ex-ministra, após declaração de que crianças foram traficadas na Ilha de Marajó (PA) e tiveram dentes arrancados para “não morderem na hora do sexo oral”.

O bispo expressa apoio. “Deus está impondo a agenda dele sobre qualquer agenda contra você. Amém.”

Dia 2 (13/10)

Às 9h30, hinos de reavivamento espiritual marcam o início da jornada. O pastor Dito Rodrigues, que três dias antes postara foto com Jair Bolsonaro, declara: “O Brasil da esperança tem nome”. Ele aquece o público para Lucinho Barreto, um dos pastores da Igreja Batista da Lagoinha, de Belo Horizonte.

“Quem aqui é resistência? Como no Dia D na Normandia, não temos medo de bala e vamos vencer”, diz o líder da igreja de 92 mil membros, comparando o segundo turno à batalha que selou o início da derrocada dos nazistas na Segunda Guerra.

Em seguida, dá boas-vindas a irmãos de todo o Brasil. “Encontrei gente até do Maranhão. Outra língua, outro fuso horário e outro presidente”, brinca, sobre o estado nordestino lulista.

“Bolsonaristas me dizem: ‘Pastor, você está chato’”, admite, sobre posts pró-Bolsonaro no Instagram para os 2,3 milhões de seguidores. “Dia 30, voltamos à programação normal. Estamos sendo chamados para a guerra.”

E dá o próprio exemplo de vitória sobre um câncer de boca, do qual se declara curado após cirurgia nos EUA. Usa o arquétipo de Davi, escolhido de Deus para vencer o gigante Golias e reinar em Israel. “Davi era quase gay na aparência, não era um brucutu. Um lutador de MMA saiu de dentro daquele Menudo”, compara.



Em 30 de outubro, estamos sendo chamados para a guerra

“Já disseram que eu, André Valadão e Nikolas Ferreira temos um caso”, relata, ao citar, respectivamente, o polêmico cantor e o deputado federal eleito pelo PL-MG com maior votação no país, todos da mesma Lagoinha. “Deixem falar, tenho um país pelo qual lutar.”

Lucinho passa para análise do quadro eleitoral. “Lula ganhou o primeiro turno, mas vamos ver Jair Messias ganhar. Havia um clima de já ganhou e a igreja levou um susto.” Encerra com prece: “Senhor, olha para quem está triste pelo momento político e com forças exauridas. Transforma eles em teus valentes”.

A programação matutina traz ainda o nome internacional desta edição, a americana Chantell Cooley, cofundadora da Columbia Southern University. “O Brasil vai ocupar o trono”, afirma. Ela pede que a plateia repita diversas vezes a profecia. “Os demônios que estão sobre essa nação não vão vencer.”

Antes do almoço, o painel “Cosmovisão Bíblica e Escatologia”, mediado por JB Carvalho, reúne Jean Regina, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito e Religião, e o apóstolo Henrique Schmitt.

“O plano de governo de Bolsonaro para 2023 a 2026 deixa claro o respeito às liberdades religiosa e individuais. O do Lula, ninguém sabe. Na retórica, ele deixa claríssimo que vai ter a liberdade que quiser dar”, compara Regina. “Em governo progressista teremos decréscimo nas liberdades.”

Carvalho indaga como ter visão positiva em cenário tão conturbado. “Você não pode andar pelas notícias, pelos jornais”, responde o apóstolo. “A igreja tem que olhar pelo que ela crê, não pelo que vê.”

Uma das crenças é o perigo do comunismo. O bispo introduz a questão falando dos três estágios da implantação do regime: a infiltração na educação e na mídia, a ocupação e a consumação. “Parece que interrompemos esse processo com o impeachment de Dilma Rousseff, que, com seu Plano Nacional de Direitos Humanos, ia implementar tudo isso”, diz o mediador.

“Quando Lula tomou o poder, começou o processo de reconstrução de um modelo de Estado”, diz Regina.

A discussão acaba em tom apocalíptico. “Minha esperança é Jesus voltar até o dia 30”, diz o apóstolo. “É o início de uma nova era.”

A programação noturna tem Ronny Oliveira, apresentado como um dos grandes profetas da atualidade. “Nessa conferência profética, palavras se tornam decretos, abençoando a nação inteira”, diz o pastor da Assembleia de Deus Nueva Allianza, na Argentina.

“Brasil, não viva o que dizem a mídia e a estatística, mas o que Deus diz”, declara. Pede para que repitam: “O gigante acordou”. Avivamento que irá revolucionar outras nações, avalia.

Dia 3 (14/10)

A programação começa com cantoras gospel de rosa no palco, cor também escolhida pela primeira pregadora. Ezenete Rodrigues, líder de intercessão da Igreja Batista da Lagoinha, declara que é chegado o tempo dos improváveis.

Pede que Deus derrame sobre ela o seu espírito e profere palavras incompreensíveis. Volta à língua pátria para ensinar a se posicionar diante das ameaças. “Vamos sair daqui com estratégias do céu”, diante do bombardeio no WhatsApp, na TV, no Uber. “Só se fala de direita e esquerda.”

A profetiza estimula os fiéis a serem fortes e corajosos para preservar a liberdade religiosa e os valores cristãos. A guerra já foi vencida, acredita. “Pode vir a notícia que vier. Quando vejo o outro lado trabalhando, eu cancelo e digo: estou te destruindo na autoridade do Senhor”, relata a profetiza que tem 607 mil seguidores no Instagram.

Ela exorta todos a sair do muro nestas eleições para vencer o “império das trevas”. “Não é sobre um homem nem sobre um partido. Quem vai governar é a igreja.” E passa a bola para a sua mãe espiritual, a apóstola Valnice Milhomens.

A televangelista chega de saia longa azul e blusa verde-amarela com inscrição “Ore pelo Brasil”. Apoiadora em 2010 de Marina Silva, também evangélica, ela agora capitaneia jornada de jejum e oração pela reeleição de Bolsonaro.



Não é sobre um homem nem sobre um partido. Quem vai governar é a igreja

“Cada um vai responder diante de Deus pelo seu voto. É a favor do aborto? Não. Ideologia de gênero? Não. Legalização da maconha? Não.”

Valnice mostra como usar a armadura de Deus para ter a vitória pela fé na tal guerra espiritual. “O que vemos e ouvimos é distorcido pela atmosfera ao redor.” A igreja está dividida, admite. “Como pastores estão votando no Lula?”

Na quarta (19), o petista divulgou carta aos evangélicos qualificando de “triste escândalo” o uso da fé para fins eleitorais. Lideranças progressistas, como pastor Ed René Kivitz, posicionam-se contra o fundamentalismo. “O bolsonarismo é ameaça ao Estado democrático de Direito.”

A apóstola prefere não se informar. “Não leio, não ouço, não clico nos links, não quero saber o que o Diabo está falando, não quero saber de acusações. Só quero saber o que o trono está falando.” Aplausos.

Valnice enfatiza que toda semana pastores vão ao gabinete presidencial orar e dizer que quem senta naquela cadeira é Jesus Cristo. “Ele é o governante desta nação.” A justificativa para a reeleição de Bolsonaro é “não queremos que Jesus saia do Planalto”.



Não leio, não clico nos links, não quero saber o que o Diabo está falando. Só quero saber o que o trono está falando

Ao concluir, ela reafirma: “Não olhemos para a mídia nem para pesquisas. Levantemos o escudo da fé contra os dardos da dúvida e do medo lançados contra nós.”

É hora do intervalo. No hall, camisetas com o lema “Ore pelo Brasil” são vendidas a R$ 49,90. Filas se formam por autógrafos de JB Carvalho, tietado pela comitiva maranhense.

Depois do almoço, o bispo apresenta uma das atrações mais esperadas, Claudio Duarte, pastor com quase 8 milhões de seguidores no Instagram. De camiseta estilizada com a bandeira e a inscrição “oro por ti Brasil”, o showman mescla mensagem religiosa e tiradas de humor. Também entra no tom profético-eleitoral e pergunta a si mesmo, que declarou votar 22: “Pastor, e se nós não ganharmos a eleição?”.

A possibilidade de derrota não o amedronta, em cenário em que Lula está à frente por margem pequena. “Não tenho medo disso não. Em Gênesis, Isaque prospera em ambiente desfavorável.” É aplaudido. “Deus está nos chamando para uma nova estação. Vem aí o melhor tempo do Brasil.”

Argumenta que os fracos ficaram para trás, como provou a pandemia. “Quem não fosse forte ou adaptável morria. Casamentos fracos enfrentaram o divórcio. Empresas fracas fecharam. Fiel fraco foi embora da igreja. Tem que ser forte, meu filho! Força e coragem é o que precisamos no dia 30!”

Dia 4 (15/10)

Ivan Júlio, conhecido como pastor Insano, abre os trabalhos com um ato profético no qual ata a Bíblia ao coração com fita adesiva. Exemplar que emprestou para a primeira-dama fazer uma leitura bíblica quando ela foi ungida naquele mesmo palco. “Foi um momento profético entregar a Bíblia para a mãe da nação.”

Insano passa o microfone para a estrela da manhã, Marcos Borges, o Coty, líder no Paraná da Jocum (Jovens com uma Missão). O pastor fala de maturidade ou do déficit que acomete esta geração, vítima do que chama de “síndrome de retardamento moral e emocional”. “Quer crescer? Abrace a sua responsabilidade.”

Gancho para bater no vitimismo, “obrigação no progressismo”. “Não transfira suas responsabilidades para outros. Isso é mentalidade marxista: transferir a responsabilidade do povo para o governo.”

Entre os ingredientes de uma vida madura, Coty cita a convivência sadia com as diferenças. “Ser inclusivo, mas sem pecar contra a natureza. Hoje, infelizmente, o povo está unindo o que Deus separou e separando o que Deus uniu.”

Temos que acordar para isso, enfatiza. “Só de você ser homem, branco e hétero, você se tornou tóxico. Não dá, né?”

Ele deixa o palco, enquanto a banda entoa canção que lembra: “É dia do renascimento”. O hino emociona a dona de casa mineira que marca o assento com a bandeira, feliz de participar da conferência. Pagou R$ 347 de inscrição, mais bilhete de avião e hotel.

“Decidi vir quando vi um post da primeira-dama no Instagram”, diz ela, um dos 4,4 milhões de seguidores da esposa do presidente.

“Michelle tem o cheirinho de Jesus. É uma mulher de Deus.” Bolsonaro vai levar o voto dela, apesar de “ainda precisar se converter de verdade”. A fã lamenta a ausência de Michelle, mas sabe que é preciso ganhar votos Brasil afora. “Aqui tá dominado.”

É meio da tarde quando Chantell Cooley volta ao palco. Conta que em conversas com Bill Hamon, o pai do movimento profético moderno, ela o teria convencido de que o Brasil é o país escolhido para liderar a “terceira reforma”, nova restauração da igreja para cumprir os propósitos de Deus no fim dos tempos.

“O bispo imaginava que seria uma nação de língua hispânica, mas é o Brasil que está se alinhando às palavras proféticas dele.” Informação que se casa com a nova preleção de Coty. “Deus está chamando a igreja brasileira para ser protagonista não só de um avivamento, mas de uma reforma”, afirma também o brasileiro.

Para a profecia se completar, é necessária uma revolução nos costumes, prega Coty. “O maior prejuízo da esquerda no Brasil não é corrupção. É a degradação moral.” Relata lamúria de pais com filhos universitários. “Pastor, desde que ele entrou na universidade não o reconheço. Não me respeita. É imoral.”



O maior prejuízo da esquerda no Brasil não é corrupção. É a degradação moral

Para Coty, só agora a igreja acordou para esse aliciamento cultural. “Vamos mudar os valores dessa nação.” Na oração final, ele pede que o Senhor impeça toda corrupção, mentira e fraude na eleição.

É hora dos dízimos e ofertas, momento comandado pela bispa Dirce Carvalho. Luzes verdes e amarelas são projetadas no palco. A bispa fala de sacrifício como moeda espiritual. “É trazer para tirar você do caos”, afirma, enquanto dados do Pix aparecem na tela e maquininhas de cartão passam entre as fileiras.

O último palestrante é Tiago Brunet, autor do best-seller “Especialista em Pessoas”. “Que Deus prepare seu coração para o que vai viver nos próximos dias. Prepare-se como pessoa e como igreja.”

O coach fala de foco. “Pai, tira toda a distração. Não nos desviemos nem à direita nem à esquerda. Vamos continuar rumo ao alvo que é Cristo.”

Carvalho chama vídeo com melhores momentos. “Estamos vendo emergir o princípio de uma nova era. Enquanto as trevas tentam cobrir a terra, nossa luz brilha ainda mais. Prepare-se para o renascimento”, diz a mensagem de despedida.

“Pai, o Brasil vive uma encruzilhada, livra-nos do mal”, ora o bispo. “Até a próxima.”

Profetas de um novo Brasil com Cristo

Chantell Cooley

Cofundadora da Columbia Southern University e vice-presidente do Columbia Southern Education Group; após 30 anos de experiência no mundo corporativo, virou conferencista à frente do ministério Chantell Cooley; é autora de “Firme na Palavra”

22 mil seguidores no Facebook

Claudio Duarte

Pastor e conferencista, é conhecido como apresentador de stand-up pelo jeito bem-humorado de pregar sobre temas religiosos, sexo e matrimônio. É autor de mais de 30 livros e foi condecorado com a Ordem de Rio Branco em 2021

7,9 milhões de seguidores no Instagram

Coty (Marcos Borges)

Conferencista internacional, é líder no Paraná da Jocum (Jovens com uma Missão), organização cristã ligada à senadora eleita Damares Alves (Republicanos-DF). É autor de “A Face Oculta do Amor”

104 mil seguidores no Instagram

Dirce Carvalho

É bispa na Comunidade das Nações em Brasília e idealizadora do Modeladas, proposta voltada para o público feminino que reúne mais de 15 mil mulheres. Conhecida como “Mama”, é esposa de J.B Carvalho

66 mil seguidores no Instagram

Ezenete Rodrigues

Profetiza e pastora à frente do Ministério Restaurando Vidas na Estância Paraíso, é líder da Igreja Batista da Lagoinha (MG). Escreveu a autobiografia “Uma Vida de Milagres”

607 mil seguidores no Instagram

JB Carvalho

Bispo presidente da Comunidade das Nações no Brasil e nos Estados Unidos, com sede em Brasília e 16 unidades no país e 5 no exterior; é teólogo e autor de 13 livros, entre eles “A Jornada – De Meninos a Homens”

267 mil seguidores no Instagram

Lucinho Barreto

É pastor da Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte (MG); tem cerca de 40 livros publicados, entre eles a série “Loucos por Jesus”, com testemunhos de cristãos perseguidos em nome de Cristo

2,3 milhões de seguidores no Instagram

Tiago Brunet

Fundador do Instituto Destiny, o escritor e coach promove palestras e imersões sobre carreira e aprimoramento pessoal, unindo conceitos teológicos e neurociência. É autor de best-sellers como “Especialista em Pessoas”

5,1 milhões de seguidores no Instagram

Valnice Milhomens

Televangelista e apóstola presidente da Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo (Insejec), preside o Ministério Palavra da Fé. Nas eleições de 2010, apoiou Marina Silva; em 2022, faz jejum e oração pela reeleição de Bolsonaro

334 mil seguidores no Instagram

Victor Hugo

Profeta chileno e casado com brasileira, é pastor presidente do Ministério Internacional Vitória do Espírito Santo. Em 2019, foi diagnosticado com um câncer no estômago e se diz curado pela fé

126 mil seguidores no Instagram

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original