Localiza (RENT3) projeta capturar metade das sinergias da Unidas em 2023 

Localiza (RENT3) projeta capturar metade das sinergias da Unidas em 2023 


Mais de dois anos após anunciar sua fusão com a Unidas, a Localiza & Co (RENT3) começa a observar os primeiros retornos da consolidação da antiga concorrente. Como se sabe, o aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para o negócio ocorreu apenas no final de junho deste ano. Com menos de seis meses do fechamento da operação, a Localiza agora projeta os ganhos operacionais com o deal.

A companhia estima que cerca de 50% das sinergias previstas com a fusão deverão ser capturadas já no ano que vem.“O poder de compra de veículos foi a sinergia mais evidente do negócio, mas há outros ganhos que não são tão notados. Um deles é que conseguimos acelerar nossas entregas aos clientes de frota. Ao cruzarmos o portfólio de carro das duas companhias, conseguimos agilizar a entrega dos veículos”, disse o CEO Bruno Lasansky, durante encontro com jornalistas após o Investor Day.

Neste semestre, prossegue o executivo, ocorreram as integrações dos negócios, processo que está na reta final. Para contextualizar, uma das medidas que viabilizou a fusão entre as empresas foi a venda da marca Unidas para a Brookfield, que agora atua no mercado com o nome. O grupo canadense também é dono da locadora de pesados Ouro Verde.

Aumento da alavancagem

A despeito do ganho operacional projetado com a fusão, a Localiza estima um cenário ainda complexo para a renovação de frota. Durante a pandemia, a empresa optou por sustentar o envelhecimento do portfólio de veículos em vez de comprá-los em uma condição de mercado desfavorável. A avaliação foi de que era um momento de dificuldade de entrega e preços mais altos diante da oferta restrita.

“Hoje nós entendemos que não há restrição de oferta. Vemos muito mais disponibilidade de veículos do que a necessidade. Então, temos um cenário mais favorável para trabalhar nossas premissas de obter mais eficiência nos custos”, avaliou Rodrigo Tavares, CFO da Localiza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Unidade da Localiza: lucro operacional no foco da companhia (Foto: Divulgação)

Para 2023, o Tavares projeta um aumento marginal da alavancagem, que encerrou o terceiro trimestre deste ano em 2,8x a dívida líquida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, em inglês). O índice está dentro da média histórica da empresa e poderá chegar a 3 vezes no primeiro semestre do ano que vem – ainda em um patamar considerado saudável pela Localiza & Co.

“Mas essa alavancagem tende a diminuir no segundo semestre de 2023, a partir do momento que a renovação se consolida e o lucro operacional ganha mais fôlego”, defendeu Rodrigo Tavares.

O CFO reforçou que a empresa continuará diligente nos custos de renovação de frota e lembrou que a Localiza possui R$ 40 bilhões em ativos. “Se conseguirmos 1% de eficiência, já são R$ 400 milhões de ganho e não podemos descuidar”.

Crescimento moderado

Na avalição da Localiza, para garantir a sustentabilidade do negócio a longo prazo, não será possível garantir um crescimento de dois dígitos nos próximos anos. “Não dá para dizer que vamos 15% ao ano [como vinha ocorrendo] nos próximos anos”, acrescenta Lasansky.

“Plano de saúde” para carros e nova marca

Também durante o Investor Day, a Localiza & Co anunciou um novo serviço, chamado Localiza+, que funcionará como um “plano de saúde” para os automóveis de pessoas físicas. A ideia é oferecer a rede que atender os veículos da Localiza para os consumidores que possuem o carro próprio.

Nesta primeira fase, os clientes terão acesso a um plano que dá direito a revisões periódicas do veículo, ao estilo do que ocorre quando se compra um carro 0 km, com mensalidades que variam de R$ 49,90 a R$ 169,90. Cerca de dez mil oficinas espalhadas em 85 municípios do país já estão cadastradas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com um MVP (produto mínimo viável, em inglês) rodando há quatro meses, a Localiza já fechou 15 mil contratos na modalidade, alcançando o breakeven (ponto de equilíbrio do negócio). Agora, o objetivo é dar mais escala ao negócio nos próximos meses.

“É um mercado de R$ 100 bilhões e estamos entrando nele. O potencial que temos de capturar uma fatia desse bolo vai depender da nossa capacidade de entender o cliente”, enfatizou Bruno Lasansky.

Outra novidade anunciada pela empresa foi a criação da marca Localiza & Co, com o objetivo de diferenciar o institucional da companhia de seus serviços B2B e B2C.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original