Central de FIIs: em linha com mercados, Ifix fecha sessão em alta de 0,19%

Central de FIIs: em linha com mercados, Ifix fecha sessão em alta de 0,19%


 

Em linha com o mercado, o IFIX – índice dos fundos imobiliários mais negociados na Bolsa – fechou a sessão desta quinta-feira (16) em alta de 0,19%, aos 2.681 pontos. Nesta quarta-feira (15), o indicador havia registrado elevação de 0,27%. O índice acumula ganhos de 0,27% na semana e, no mês, 4%. No acumulado do ano, o Ifix ainda está no vermelho, com perdas de 6,57%.

Os investidores repercutem na sessão desta quinta-feira (16) o cancelamento da 4ª emissão de cotas do Rio Bravo Renda e Varejo (RBVA11), que pretendia captar R$ 70 milhões. A decisão ocorre um dia depois de o Hedge Top FoF ( HFOF11), detentor de mais de 5% das cotas do Rio Bravo, criticar a oferta e solicitar uma assembleia geral extraordinária para discutir o assunto. (Leia mais ao longo do Central de FIIs)

O mercado monitora também o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), do Banco Central (BC), que manteve suas estimativas de inflação para anos de 2021 a 2023 no cenário de referência, que utiliza juros conforme o Relatório de Mercado Focus e câmbio atualizado de acordo com a Paridade do Poder de Compra (PPC).

Segundo o documento, o cenário indica um IPCA de 10,2% para este ano, 4,7% no próximo e 3,2% no seguinte. Essas projeções constaram na ata e no comunicado do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom).

Protegidos da elevação dos preços e dos juros, os fundos imobiliários de “papel”, que investem em títulos de renda fixa indexados a índices de inflação e ao CDI (certificado de depósito interbancário), estão entre os mais rentáveis de 2021.

Leia mais:

Maiores altas desta quinta-feira (16):

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ticker Nome Setor Variação (%)
XPCM11 XP Corporate Macaé Lajes Corporativas 2,96
TEPP11 Tellus Properties Lajes Corporativas 2,42
BZLI11 Brazil Realty Títulos e Val. Mob. 2,42
FIGS11 General Shopping Shoppings 2,39
KNHY11 Kinea High Yield Títulos e Val. Mob. 2,36

 

Maiores baixas desta quinta-feira (16):

Ticker Nome Setor Variação (%)
LVBI11 VBI Logistico Logística -3,27
FLMA11 Continental Square Faria Lima Híbrido -2,72
TORD11 Tordesilhas EI Outros -2,35
VRTA11 Fator Veritá Títulos e Val. Mob. -2,33
RFOF11 RB Capital Títulos e Val. Mob. -2,12

Fonte: B3

Rio Bravo cancela oferta e redução no patrimônio do XP Macaé

Confira as últimas informações divulgadas por fundos imobiliários em fatos relevantes:

Rio Bravo (RBVA11) cancela 4ª emissão de cotas

Em fato relevante divulgado nesta quarta-feira (15), o Rio Bravo Renda e Varejo informou o cancelamento da 4ª emissão de cotas do fundo, anunciada no mês passado, e que pretendia captar R$ 70 milhões.

De acordo com o comunicado, a medida foi tomada em razão da atual conjuntura do mercado financeiro e do cenário econômico nacional e global.

O cancelamento ocorre um dia depois de o Hedge Top FoF (HFOF11), detentor de mais de 5% das cotas do Rio Bravo, criticar a oferta e solicitar uma assembleia geral extraordinária para discutir o assunto.

A oferta estipulou o valor unitário das novas cotas – R$ 99,00 – abaixo do valor patrimonial das cotas negociadas na Bolsa. Para o Hedge, ofertas com estas características deveriam ser previamente autorizadas pelos investidores do fundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Durante o período de preferência, encerrado na terça-feira (14), houve a subscrição de 1,21% do volume de cotas ofertadas.

O Rio Bravo é um fundo imobiliário do tipo “tijolo”, que investe em imóveis para locação. Atualmente, o portfólio do fundo está locado principalmente para os bancos Santander e Caixa Econômica Federal. De acordo com relatório gerencial de novembro, a vacância atual do Rio Bravo é de 0,7%.

Reavaliação aponta redução de 20% no patrimônio do XP Macaé ( XPCM11)

Reavaliação do patrimônio líquido do XP Corporate Macaé aponta redução de 20%, passando de R$ 168 milhões para R$ 133 milhões, de acordo com comunicado divulgado nesta quarta-feira (15).

Atualmente, o fundo conta com um único imóvel, o edifício The Corporate, no município de Macaé (RJ), que está completamente desocupado desde a saída da Petrobras, em dezembro de 2020.

Em 2021, o XP Macaé acumula perdas de mais de 50%, considerando a desvalorização das cotas e a distribuição de rendimentos do período.

 

Dividendos de hoje

Confira os fundos imobiliários que distribuem rendimentos nesta quinta-feira (16):

Fonte: InfoMoney

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Giro imobiliário: 

Apple volta a adiar retorno aos escritórios nos Estados Unidos

Diante do aumento de casos de Covid-19 e de uma nova variante de rápida propagação, a Apple decidiu adiar mais uma vez o retorno aos escritórios, antes previsto para 1º de fevereiro, para uma “data ainda a ser determinada”.

Os funcionários foram informados da mudança por meio de um memorando enviado na quarta-feira pelo diretor-presidente da Apple, Tim Cook. Um porta-voz da empresa confirmou a decisão à Bloomberg News.

O anúncio ocorre poucas semanas depois de a empresa pedir aos funcionários para começarem a retornar em fevereiro, um cronograma que já havia sido adiado várias vezes. A falta de uma data exata destaca a dificuldade enfrentada pelas empresas para tentar normalizar as operações. Em setembro, a Microsoft deixou a data de retorno aos escritórios em aberto.

No Brasil, investidores também acompanham o retorno presencial aos escritórios. Recentemente, Marcelo Fedak, CEO da BlueMacaw, lembrou que a vacância no segmento aumentou como resultado das restrições impostas pela pandemia do Covid-19, mas deverá cair aos níveis anteriores com o movimento de retorno ao escritório.

Segundo ele, o Brasil já mostra forte movimento de retorno aos escritórios e a circulação em ambiente de trabalho no País já é maior do que a média global. “Empresas pequenas podem até manter o trabalho virtual, mas companhias grandes terão dificuldade de criar cultura corporativa fora do escritório ou mesmo formatar um modelo híbrido de trabalho”, afirma.

Leia mais:

 

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original