Central de FIIs: câmara de arbitragem analisará divergência entre Autonomy e Ibmec; 2ª prévia do Ifix, que opera em alta

Central de FIIs: câmara de arbitragem analisará divergência entre Autonomy e Ibmec; 2ª prévia do Ifix, que opera em alta


O IFIX – índice que reúne os fundos imobiliários mais negociados na Bolsa – abriu a última sessão da semana no campo positivo. Às 10h53, o indicador registrava alta de 0,18%, aos 2.686 pontos. Na sessão de ontem, o índice fechou com ganhos de 0,19%.

Nesta quinta-feira (16), a B3 também divulgou a segunda prévia do Ifix, que vai vigorar entre 3 de janeiro e 29 de abril de 2022 – mais uma prévia será divulgada antes da versão definitiva. O portfólio tem como base o fechamento do pregão do dia 15 de dezembro de 2021. Cinco fundos imobiliários foram alterados em relação à carteira atualmente em vigor.

As novidades são os fundos Valora Hedge Fund (VGHF11), Suno Fundo de Fundos (SNFF11), NCH EQI High Yield (EQIN11), AF Invest Cri (AFHI11) e HSI Ativos Financeiros (HSAF11).

De acordo com segunda prévia do novo Ifix divulgada pela Bolsa, deixam a carteira teórica os fundos CSHG Prime Offices (HGPO11), Rio Bravo Renda Educacional (RBED11), , Pátria Edifícios Corporativos (PATC11), RB Capital (RFOF11) e Continental Square Faria Lima ( FLMA11).

Fundo com maior peso no índice, o Kinea Índices Preços (KNIP11) aumentou ainda mais a participação na carteira, de 5,9% para 6,9%. Na sequência, aparecem Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11), CSHG Logística (HGLG11), Iridium Recebíveis (IRDM11) e Kinea Renda Imobiliária(KNRI11).

A B3 divulga regularmente três prévias das novas composições dos índices: a primeira prévia, no primeiro pregão do último mês de vigência da carteira em vigor; a segunda prévia, no pregão seguinte ao dia 15 do último mês de vigência da carteira em vigor; e a terceira prévia, no penúltimo pregão de vigência da carteira em vigor.

Maiores altas desta sexta-feira (17):

Ticker Nome Setor Variação (%)
HGBS11 Hedge Brasil Shopping Shoppings 1,94
LVBI11 VBI Logistico Logística 1,94
GTWR11 Green Towers Lajes Corporativas 1,76
XPSF11 XP Selection Outros 1,47
VRTA11 Fator Veritá Títulos e Val. Mob. 1,37

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Maiores baixas desta sexta-feira (17):

Ticker Nome Setor Variação (%)
XPCM11 XP Corporate Macaé Lajes Corporativas -2,79
HGPO11 CSHG Prime Lajes Corporativas -1,96
FIGS11 General Shopping Shoppings -1,6
VTLT11 Votorantim Logistica Logística -1,28
SARE11 Santander Renda Híbrido -1,22

Fonte: B3

Arbitragem avaliará divergências entre Autonomy e inquilino, reavaliação de imóveis do Vectis e mais

Confira as últimas informações divulgadas por fundos imobiliários em fatos relevantes:

Centro de arbitragem discutirá divergência em contrato entre Autonomy (AIEC11) e Ibmec

O Ibmec, empresa do segmento educacional, protocolou requerimento no Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá para discutir o contrato de locação firmado com o fundo Autonomy Edifícios Corporativos.

A empresa ocupa o edifício Standard Building, espaço tombado pelo patrimônio histórico do Rio de Janeiro (RJ), localizado na região da Baía de Guanabara.

No requerimento, o Ibmec trata de temas como reembolsos pagos ao fundo pelos investimentos iniciais no imóvel, revisão de multa rescisória e a troca do indexador previsto no contrato de locação, do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A locatária estima que, somadas, as pendências totalizam um montante de R$ 3 milhões.

Em fato relevante divulgado nesta quinta-feira (16), o Autonomy confirmou já ter conhecimento do requerimento do Ibmec e prometeu tomar as medidas cabíveis para defender os interesses do fundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Faci.Ly aumenta área locada em galpão do XP Log (XPLG11)

O fundo XP Log anunciou que expandiu a área locada para a Faci.Ly, empresa do ramo de soluções e tecnologia, que ocupa desde o mês passado o condomínio logístico Syslog Galeão, localizado em Duque de Caxias (RJ).

Inicialmente, o contrato de locação com a empresa previa uma área bruta locável (ABL) de 6 mil metros quadrados, que passará agora para 14 mil metros quadrados.

Pelos cálculos do fundo, a receita acumulada da locação nos primeiros 24 meses está estimada em R$ 0,17 por cota. A partir do 25º mês, a estimativa é de R$ 0,0083, sem considerar a correção inflacionária.

Com a revisão do contrato, a vacância dos imóveis do XP Log será reduzida de 9,8% para 9,1%, de acordo com o último relatório gerencial do fundo.

Reavaliação eleva em 25% patrimônio do Vectis ( VCRR11)

O fundo Vectis Renda Residencial realizou a reavaliação anual dos imóveis do fundo, que apontou um valor médio 25% superior ao valor contábil atual. O laudo foi feito pela empresa Colliers International do Brasil.

De acordo com o fundo, a revisão representa uma variação positiva de aproximadamente 21,8% do patrimônio líquido do fundo em relação à cota negociada na Bolsa no fechamento do dia 13 de dezembro de 2021.

O Vectis possui quatro empreendimentos residenciais em bairros nobres da cidade de São Paulo (SP), que estão atualmente em fase de construção.

O segmento de fundos imobiliários para renda residencial ainda é novo no Brasil, mas gestores estão otimistas com a resiliência do modelo. Mais informações você confere na reportagem abaixo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia mais:

Hedge Top FoF (HFOF11) não abre mão de assembleia do Rio Bravo Renda e Varejo

O fundo Hedge Top FoF reforça pedido pela realização de uma assembleia geral extraordinária (AGE) do Rio Bravo Renda e Varejo. O Hedge é detentor de mais de 5% das cotas do Rio Bravo.

Na terça-feira (14) o Hedge pediu o cancelamento da 4ª emissão de cotas do Rio Bravo, anunciada no mês passado, e que pretendia captar R$ 70 milhões.

A oferta havia estipulada o valor unitário das novas cotas – R$ 99,00 – abaixo do valor patrimonial das cotas negociadas na Bolsa. Para o Hedge, ofertas com estas características deveriam ser previamente autorizadas pelos cotistas. Desta forma, o fundo solicitou a realização da AGE.

Um dia depois, o Rio Bravo anunciou o cancelamento da oferta e, com a decisão, avaliou que não havia mais justificativa para a realização da assembleia.

O Hedge, no entanto, discorda da avaliação do Rio Bravo e, em fato relevante divulgado nesta quinta-feira (16), afirmou que o pedido pela realização da AGE permanece válido.

O Hedge propõe mudança no regulamento do Rio Bravo para que emissões de novas cotas por preço unitário inferior ao valor patrimonial do papel devam obrigatoriamente ser submetida à prévia aprovação dos cotistas

 

Dividendos de hoje

Confira os fundos imobiliários que distribuem rendimentos nesta sexta-feira (17):

Ticker Fundo Rendimento (R$)
VGIP11 Valora Cri 1,55
MCCI11 Mauá Capital 1,00
CPTS11B Capitânia Securities 1,00
VGIR11 Valora RE 0,80

Fonte: InfoMoney

Giro imobiliário: Fundos de “papel” dominam ofertas em 2021

A elevação dos juros e da inflação ao longo do ano levou os fundos imobiliários de “papel”, que investem em títulos do setor imobiliário, a se destacarem entre os melhores retornos da categoria – e não foi diferente quando o assunto é o volume de novas ofertas de FIIs realizadas em 2021.

Neste ano, os FIIs de recebíveis se mantiveram como protagonistas tanto nas emissões abertas ao público como nas ofertas restritas, voltadas a investidores institucionais. De maneira geral, os números de 2021 se aproximam dos verificados nos dois anos anteriores, apesar os desafios enfrentados pelos fundos imobiliários nos últimos meses.

Dados preliminares da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) mostram que um total de R$ 23,9 bilhões foi registrado em ofertas públicas de fundos imobiliários neste ano, até dia 9 de dezembro. Os números se referem às ofertas com instrução CVM 400, abertas a todos os investidores.

Leia mais:

 

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original